Economia
Controladoria-Geral do Estado garante transparência no Governo

Controladoria-Geral do Estado garante transparência no Governo

Pasta foi criada na gestão do candidato à reeleição Reinaldo Azambuja

Uma nova cultura de governo, com memória de processos, métodos e indicadores, entre outros, para garantir ótimo funcionamento e a transparência com o dinheiro público. Essa é a ação que vem sendo desenvolvida pelo Governo de Mato Grosso do Sul. O trabalho de mudança se estende à Controladoria-Geral do Estado (CGE-MS), criada na gestão de Reinaldo Azambuja (PSDB), candidato à reeleição.

“O planejamento de ações e o posterior monitoramento é o caminho para a eficiência administrativa de resultados que atendam aos anseios da sociedade, evitando o desperdício do dinheiro público. Quando nós assumimos a gestão ainda em 2015, descobrimos que não havia memória de governo, tudo estava apenas na cabeça de alguns funcionários. A partir daí iniciamos a implantação de uma nova cultura de governo, pela qual os órgãos públicos elaboram cronogramas de ações anuais com orçamentos e prazos de entrega definidos. Com planejamento, método e indicadores conseguimos dar a visão de como estamos e o que ainda há para ser feito”, reforça o governador Reinaldo Azambuja.

O setor é ligado diretamente ao gabinete do governador e, conforme o controlador-geral Carlos Eduardo Girão de Arruda, tem como função aproximar a população da gestão, por meio da transparência, ouvir a sociedade civil organizada, as organizações governamentais e a população em geral, bem como dar tratamento às informações geradas pela máquina pública e devolvê-las de forma gerencial ao Governo para tomada de decisões estratégicas.

“A CGE é um grande avanço no sentido de ser uma poderosa aliada na tomada de decisões mais efetivas e na implementação das políticas públicas. A função principal da Controladoria é auxiliar diretamente o governador em assuntos relativos à defesa do patrimônio público e ao incremento da transparência da gestão. Por meio do trabalho realizado é possível ter processos mais transparentes, maior índice de decisões acertadas e excessos eliminados. Tudo visando mais eficiência do gasto público e melhora na qualidade de vida do cidadão”, finaliza o controlador Girão.