Destaques
Reinaldo diz que Exército pode ajudar na área de inteligência na fronteira

Comandante do CMO, o general Lourival Carvalho Silva, ao lado do governador Reinaldo Azambuja (Foto: Marina Pacheco)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou que o Exército pode contribuir muito com Mato Grosso do Sul, não apenas na segurança na região de fronteira, mas também para o serviço de inteligência. “Quando haver um núcleo integrado com as Forças Armadas, além das policiais estaduais e federal, teremos resultados importantes”.

O tucano fez esta declaração na sede do CMO (Comando Militar do Oeste), durante a comemoração alusiva ao “Dia do Soldado”, onde houve homenagens com entrega de medalhas e condecorações a militares e civis, além de desfile das tropas e mensagem do Exército Brasileiro à população.

Reinaldo também ressaltou que o Exército tem a função de “ponto de equilíbrio” na democracia brasileira, contra os “excessos tanto da extrema esquerda, como direita”, dando sustentação aos poderes e a República. “Eles primeiro tem a tarefa de defender a Pátria, mas depois também fazem integração em momento de emergência, como na greve dos caminhoneiros, que ajudaram bastante”.

Apoio – O comandante do CMO, o general Lourival Carvalho Silva, também citou que o Exército há muitos anos trabalha junto com o governo estadual e prefeituras municipais, como em Campo Grande. “Contribuímos em várias frentes, como na abertura de estradas, pontes e outros projetos”.

O general citou que inclusive pretende fazer “futuras parcerias” com o governo de Mato Grosso do Sul, para contribuir mais no setor de infraestrutura do Estado. “Queremos participar deste desenvolvimento”, pontuou.

O secretário estadual de Segurança Pública, Antônio Carlos Videira, que foi um dos homenageados do evento, disse que o Exército tem sua parcela de contribuição no setor. “Já participou de operações em conjunto com as forças policiais no sul do Estado, assim como a ação da Operação Ágata na região de fronteira”.

O evento teve desfile dos militares, entrega de medalhas, assim como um breve discurso sobre a atuação do Exército, e uma homenagem ao patrono da instituição, Duque de Caxias. Também houve tiro de canhão e sobrevoo de helicópteros das Forças Armadas.