Polícia
Mulher é morta a facadas pelo ex-marido dentro de igreja no Paraná ao final do culto

Mulher é morta a facadas pelo ex-marido dentro de igreja no Paraná ao final do culto

Uma mulher foi morta pelo ex-marido ao final de um culto numa igreja evangélica em Cianorte, no Paraná, na noite deste domingo. Geni de Souza Soares Wurmeister, de 40 anos, já havia relatado comportamento violento da parte dele na delegacia da cidade. Logo após cometer o crime, o ex-marido conseguiu fugir, mas foi encontrado e preso. A Delegacia da Mulher em Cianorte investiga o caso. Ele foi autuado por feminicídio e pode pegar até 30 anos de prisão, segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil do Paraná.

Os bombeiros disponibilizaram uma ambulância, assim como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas a vítima morreu no local. Geni sofreu golpes com uma faca pequena por volta das 21h30.

Um parente contou ao EXTRA que o ex-marido costumava ser violento. Uma briga recente entre eles teria ocorrido por causa da compra de um computador. Além disso, o casal se separou há cerca de 20 dias. Ele não aceitava o fim do relacionamento.

— Eles tinham brigas e brigas. Há 20 dias mais ou menos ele quebrou fogão, mesa, geladeira. A casa ficou um estrago. Daí a polícia veio, e ela registrou boletim de ocorrência e pediu para ficar 300 metros longe dele. Mas ele ficou ligando, e ela começou a atender e a se encontrar com ele. A Geni não queria o relacionamento e ele pegou raiva. O pastor de uma igreja pequena cedeu o espaço para ele dormir lá, e ela foi levar uma marmita para ele quando soube que ele tinha fome e, então, assistiram ao culto — disse, frisando que Geni continuou a conversar com o agressor, assim como a arcar com o pagamento das prestações de um carro.

Mulher foi morta a facadas ao final de culto no Paraná
Mulher foi morta a facadas ao final de culto no Paraná Foto: Wilson Russinholi – Dia a Dia Notícias Online

— Acho que ela estava sob ameaças — destacou o parente.

Ainda de acordo com o familiar, a família dela já temia por sua segurança e de seus filhos, um menino de 11 anos que morava com o pai, e uma adolescente de 17 anos, que morava com a vítima “porque não queria deixá-la sozinha”. Ele contou que “nenhuma igreja era boa para ele” e que “teve participação em briga por onde passasse”.

— Ela gritou: “Para, Leo, para! Sangue de Jesus tem poder”, mas ele não parava. As pessoas vieram ajudar, mas ela morreu na hora. O pessoal da igreja é tudo testemunha — acrescentou.

Ex-marido de Geni de Souza foi preso após matá-la no Paraná
Ex-marido de Geni de Souza foi preso após matá-la no Paraná Foto: Wilson Russinholi – Dia a Dia Notícias Online

Quando o parente de Geni chegou à igreja, a polícia já estava no local. O parente disse que ela foi a terceira mulher do suspeito do assassinato que, segundo testemunhas, pediu um copo d’água e ficou olhando para a igreja no dia anterior ao crime.

— Peço a Deus que a justiça seja feita. Como eu não posso fazer Justiça própria, tenho que deixar para Deus. Não tenho palavras, estou aqui tremendo. Ela é uma pessoa trabalhadeira, guerreira, uma ótima funcionária, ótima pessoa — afirmou, completando que o corpo deve ser liberado por volta de 13h para os familiares realizarem o velório.

Amigos e familiares prestam homenagens para Geni, que trabalhava em uma loja de roupas infantis, nas redes sociais trocando suas fotos de perfil por imagens de laços da cor preta que simbolizam o luto. “Só Deus para nos consolar nesse momento porque sei que a senhora está num lugar melhor que esse mundo”, escreveu uma familiar. O perfil da loja no Facebook comunicou que não funcionará nesta segunda-feira. “Deixamos todos os nossos sentimentos à família, aos amigos e principalmente aos seus filhos”, afirmou o empreendimento.

Fonte: Extra