Mato Grosso do Sul
Conturbado mundo violento: Por Wilson Aquino*

Wilson Aquino*

Estava refletindo, com profundo pesar, sobre o que leva um homem a ceifar a vida de outro homem, um completo desconhecido, ao final de apenas 10 minutos de convivência e de uma conversa absolutamente normal?

O crime ao qual me refiro é o que vitimou o jovem pai de família, Rafael Baron (24), motorista de Uber em Campo Grande, pai do pequeno Davi, ao qual ajudou, até dia desses, que desse os primeiros passinhos para a vida, e um marido amoroso da “sister” Karinne Baron.

Rafael Baron era um “missionário recém retornado” de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Ele passou dois anos fora de Mato Grosso do Sul ajudando, em período integral, pessoas a encontrarem o bom caminho, pregando a Palavra de Deus.

No trabalho, durante um transporte de um casal de passageiros, sua gentileza e preocupação com o próximo, o fez fazer apenas 3 perguntas à esposa de seu algoz que transportava, a respeito do acidente que a colocara em uma tipoia. Isso bastou para despertar o ciúme doentio, a ira de um desequilibrado.

Rafael não foi o primeiro e nem será o último que terá sua vida interrompida pela ação de indivíduos endemoniados que vivem soltos pelas ruas das cidades com suas longas fichas criminais.

E como se não bastassem casos diários como esse e de outras circunstâncias trágicas, também provocadas por motivos banais, temos também aqueles que ocorrem dentro dos próprios lares, onde maridos e ex-maridos tiram a vida de esposas por motivos fúteis, por não aceitarem serem contrariados, ou por não aceitarem um simples “não”.

Se a psiquiatria não explica por que tamanha violência em Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, no Brasil e no mundo, encontramos espiritualmente as respostas. As Escrituras Sagradas nos revelam: “Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo jaz no maligno”(1 João 5;19). O que implica dizer que apesar de todos sermos filhos especiais do Senhor, Satanás está à solta para formar verdadeiras legiões de seres humanos voltados para contrariar os ensinamentos e mandamentos de Deus.

O Brasil é laico, porém, mais do que nunca precisamos aumentar a Fé Cristã de nosso povo. Incontáveis estudos e estatísticas diversas comprovam que nos lares em que os pais trabalham o fortalecimento espiritual dos filhos, desde pequenos, dificilmente eles vão ser bandidos amanhã. Não é uma regra geral, mas comprovadamente se sabe que é muito mais difícil uma pessoa criada e educada dentro dos padrões Divinos, onde se reconhece e enaltece o nome de Deus e de Jesus Cristo, enveredar para o mundo do crime depois de adulto.

E nesses últimos tempos de tribulação, onde marido e mulher são obrigados a ir para o mercado de trabalho para o sustento da família, fica muito mais difícil educar e orientar os filhos que recebem “enxurradas” de maus exemplos ensinados com simples toques no celular ou com o controle remoto da televisão.

Felizes os pais que mesmo nesses tempos modernos e de economia difícil, conseguem manter o lar, a família, espiritualmente forte e unida. E quanto maior for o número de lares assim, voltados a Deus, menores serão os números de bandidos como esse que ceifou covardemente a vida do belo jovem Rafael Baron.

*Jornalista, Professor e membro de A Igreja de Jesus Cristo

wilsonaquino2012@gmail.com,