Destaques
Com avanço do crime, medo toma conta em municípios da fronteira

Durante a operação, foram apreendidos veículos e armas e destruídas plantações de drogas – Foto: Arquivo / Divulgação

O avanço da criminalidade na fronteira com o Paraguai preocupa prefeitos sul-mato-grossenses. Apesar da operação por tempo indeterminado deflagrada em Ponta Porã pela Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), por meio de unidades especializadas da Polícia Militar e da Polícia Civil, municípios vizinhos não estão livres da violência.

No dia 30 de janeiro, por exemplo, o pistoleiro brasileiro identificado como Antônio Adelir Bittencour foi executado na avenida principal de Paranhos, com tiros de pistolas calibres 45 e 40. Ele era sogro do chefe do tráfico Diego Zacaria Alderete Peralta, filho de outro criminoso, Zacarias Peralta. A ação é reflexo da disputa entre facções rivais pelo domínio do tráfico.

O prefeito da cidade vizinha Tacuru, Carlos Alberto Pelegrini, disse que, embora fora da fronteira seca, a situação não é confortável. “A gente não tem fronteira seca com o Paraguai, mas estamos perto de Sete Quedas e Paranhos, que fazem fronteira seca. Queira ou não, tais ações nos trazem preocupação”, disse ele, destacando que a população fica insegura, apesar dos momentos de “paz”. “É assim, às vezes vivemos momentos de violência e, às vezes, está tranquilo”.

Por sua vez, a prefeita Maricleide Marques, de Antônio João, chegou a mudar algumas rotinas para evitar violência. “Eu particularmente não viajo à noite para lá [Ponta Porã], por causa dos crimes”, disse ela, ressaltando que a população também se sente insegura. “Muitos munícipes procuram atendimento de saúde em Ponta Porã e fazem compras lá. São nossos vizinhos, parceiros, mas a gente sabe que a criminalidade traz insegurança”.

Em Aral Moreira, que faz fronteira com a zona rural do Paraguai, o prefeito Alexandrino Garcia disse que, apesar de ser rota do tráfico, a cidade é tranquila. Mesmo assim, há preocupação. “Temos conversado com o governo do Estado, pedindo aparelhamento da Polícia Militar e da Polícia Civil. Também pedimos construção de um novo destacamento militar”, afirmou.

Ele reconhece o trabalho realizado pelas forças de segurança, a exemplo do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), mas garante que o local não está imune. “Somos corredor [do tráfico] e aqui já aconteceram casos graves, como explosão de banco. Houve ataque contra policiais que foram rendidos pelos criminosos”.

A Sejusp realiza desde o dia 18 de janeiro a Operação Fronteira em Alerta, em Ponta Porã, após série de ataques do crime organizado em solo paraguaio. O objetivo é aumentar a sensação de segurança e coibir ações em Mato Grosso do Sul. Participam policiais civis e militares, além do helicóptero Harpia 01 – que na semana passada ajudou a localizar uma plantação de maconha no país vizinho – e de unidades como o Batalhão de Choque, Batalhão de Operações Especiais, DOF e Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras).

Fonte: Correio do Estado