Mato Grosso do Sul
Bebê de 5.5 kg nasce na maternidade do Hospital Regional de Ponta Porã (MS)

Bebê de 5.5 kg nasce na maternidade do Hospital Regional de Ponta Porã (MS)

Arthur Barbosa de Souza nasceu na última quinta-feira (3) e tem 59 cm; acompanhamento médico irá auxiliar para impedir que ele desenvolva diabetes na fase adulta

Um bebê de 5.520 kg e 59 cm nasceu de parto cesárea na Maternidade do Hospital Regional Dr. José de Simone Netto, em Ponta Porã (MS). Arthur Barbosa de Souza veio ao mundo na última quinta-feira (03/10) com 38 semanas. A mãe do bebê, Elizandra Chimenes Barbosa, 37 anos, conta que se surpreendeu com o tamanho do recém-nascido. “Durante a ultrassom o médico disse que poderia ser grande, mas não imaginei que ele fosse crescer tanto. A maioria das roupas e fraldas não serviram, tivemos que providenciar roupas maiores”, contou.
É o segundo bebê que nasce este ano, com o peso maior que a média, na maternidade do Hospital Regional de Ponta Porã, unidade gerenciada pelo Instituto Acqua em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES). Em fevereiro nasceu Rafael Gomes Gonçalves pesando 5.720 kg.
Mãe de três filhos, Elizandra conta que a gestação inspirou cuidados. “Logo nos primeiros meses tive que ficar de repouso por risco de aborto e depois conforme foi crescendo a barriga o peso me causava muitas dores. Tive que repousar nesse período. Meus dois filhos mais velhos nasceram com o peso normal”, relatou. “Nossa família também ficou surpresa, minha família toda é alta, mas ninguém imaginava que o Arthur nasceria com 59 cm”, comentou o pai do bebê, Luan de Souza Costa.
O médico ginecologista e obstetra, Edgar Montiel, explicou a condição que levou o ganho de peso do bebê. “A macrossomia fetal é caracterizada pelo excesso de peso em recém-nascidos. O diabetes mellittus é um dos fatores associados à macrossomia fetal que também podem incluir genética, duração da gestação e presença de diabetes gestacional. O parto da paciente foi cesárea e nesse primeiro momento há necessidade do pediatra monitorar os quadros hiperglicêmicos para impedir que ele desenvolva diabetes na fase adulta”, afirmou.