Mato Grosso do Sul
Artigo: Renato Câmara (*) – Junho Prata: Respeito a maturidade e a sabedoria

Deputado Estadual Renato Câmara

O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006, pela ONU (Organização das Nações Unidas) e pela Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa. Em Mato Grosso do Sul, a lei 5.215/2018, de nossa autoria, criou o Junho Prata, mês de combate à violência contra a pessoa idosa. A cor se refere ao tom prateado dos cabelos grisalhos, que representam a maturidade e a sabedoria das pessoas com mais de 60 anos.

Através da a Frente Parlamentar em Defesa do Direito das Pessoas Idosas, estamos realizando uma série de ações com os objetivos de sensibilizar e envolver a população no combate à violência contra pessoas que estão na chamada terceira idade.

As atividades incluem a realização de palestras, oficinas envolvendo alunos da Rede Estadual de Educação, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e Unigran, além de visitas a centros de referência no atendimento a idosos, ações de divulgação promovidas pela frente parlamentar e a realização do 4° Seminário Estadual de Enfrentamento à Violência contra a Pessoa Idosa.

Tudo isso por um único objetivo, que é o de unir esforços visando à conscientização sobre a importância do respeito à integridade física e psíquica dos idosos. Todo tipo de violência precisa ser denunciada e investigada, seja ela física, psicológica, sexual, abandono, negligência financeira e maus-tratos.

Levantamento feito pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos revelou que, no ano passado, o Disque 100 registrou um aumento de 13% no número de denúncias sobre violência contra idosos, em relação ao ano anterior. De acordo como ministério, o serviço de atendimento recebeu 37.454 notificações, sendo que a maioria das agressões foi cometida nas residências das vítimas (85,6%), por filhos (52,9%) e netos (7,8%). O levantamento mostra ainda que a suscetibilidade das mulheres idosas é maior. Elas foram vítimas em 62,6% dos casos e os homens, em 32,2%. Em 5,1% dos registros, o gênero da vítima não foi informado.

Uma sociedade e considerada ‘velha’ quando ao menos 14% de sua população atinge 60 anos de idade. Mato Grosso do sul deve atingir esse patamar em 2030. No país, as projeções apontam, também, que em 40 anos o percentual de pessoas idosas deve triplicar, aproximando-se de 29,7% da população. Segundo tais projeções, em 2050 haverá duas vezes mais idosos do que crianças na sociedade brasileira.

Esses números deixam claro que construção de uma sociedade melhor e mais justa também passa diretamente pelo respeito aos direitos da pessoa idosa. Para garantir o envelhecimento da população de forma saudável e tranquila, com dignidade, sem temor, opressão ou tristeza, precisamos trabalhar intensamente na prevenção da violência e na identificação e no encaminhamento correto de casos de violência e, em especial, temos que preparar as novas gerações com informações, materiais e recursos educacionais, de forma a assegurar um envelhecimento digno e saudável.

(*) – É engenheiro agrônomo, mestre em gestão e produção agroindustrial. Exerce o segundo mandato de deputado estadual pelo MDB