Destaques
Vereadores de Caracol receberam diploma do instituo Tiradentes investigado pela Justiça

Julio Cesar de Assis Teixeira recebendo o Premio do Instituto Tiradentes. (Foto. Face)

Jumento está entre os premiados como “prefeito nota 10 do Brasil”

O comércio de diplomas de mérito para vereadores, prefeitos e secretários municipais será investigado pelo Ministério Publico (MP) do Rio Grande do Sul após o Fantástico, da TV Globo, denunciar que políticos usam recursos públicos, por meio de diárias, para receber premiações. Para demonstrar a falta de critérios na concessão desse tipo de reconhecimento, a reportagem incluiu um jumento entre os “prefeitos nota 10 do Brasil”.

Na matéria do Fantástico, fica claro que muitos prefeitos usavam dinheiro público para pagar esse prêmio, além de custear as viagens para recebê-lo com grana dos contribuintes.

Caracol

Dois vereadores do município de Caracol – Mato Grosso do Sul, receberam Diploma de avaliação do Instituo Tiradentes, instituto que esta sendo investigado pelo Ministério Publico.

Os vereadores Edmundo Timóteo Neto Palermo e Julio Cesar de Assis Teixeira receberam o Premio do Instituto Tiradentes.

Conforme publicação no Diário Oficial o vereador Edmundo Timóteo recebeu diária no valor de R$ 2.414,00 (dois mil quatrocentos e quatorze reais) para se deslocar ate Goiânia – (GO) e o vereador Julio Cesar recebeu a quantia de R$ 1.931,20 (mil novecentos e trinta e um reais e vinte centavos). No portal as diárias se referem à viagem a Goiás para receber Medalha Tiradentes no período de 08\11\2017 a 10\11\2017.

Jumento

vereador Edmundo Timóteo recebendo medalha. (Foto. Face)(

Prêmio para ser eleito melhor prefeito custa R$ 1.480. No Fantástico, um repórter conseguiu eleger um burro — um animal mesmo – como gestor nota 10. Só precisou pagar a quantia exigida, o Jumento Precioso recebeu a medalha. O escândalo foi revelado no Fantástico.

Farsa

As empresas alegam realizar consulta telefônica ou analisar indicadores sociais municipais antes de selecionar os agraciados. Só que essas avaliações, muitas vezes, não ocorrem. Em seguida, políticos são procurados pelos institutos, que oferecem a condecoração em troca de valores. Alguns não aceitam participar.

Em Terra de Areia, no Litoral Norte, o Instituto Tiradentes apontou Pedro Henrique Gross (MDB), chefe de gabinete do prefeito, como segundo vereador mais atuante do município. O instituto diz ter feito pesquisa em outubro de 2017, cinco meses após Gross ter se licenciado do mandato.

Dados do tribunal de Contas (TCE) mostram que, em três premiações realizadas em Porto Alegre em 2016 e 2017, o instituto faturou R$ 116 mil em quase uma centena de Câmaras e prefeituras.

Para o chefe o MP,  “esses eventos visam à promoção pessoal do agente público e ao lucro das empresas”. O especialista em gestão pública, Aloísio Zimmer, diz que o mais preocupante são as notícias falsas geradas como repercussão das premiações, especialmente em blogs e redes sociais, o que pode, inclusive, influenciar eleições:

A equipe do Fantástico conseguiu incluir o jumento Precioso na  lista dos supostos cem melhores prefeitos do país ao negociar com o diretor da UBD, Fernando Vieira da Cunha.A compra da honraria foi feita por meio de troca de mensagens.

Precioso, então, foi convidado a receber a medalha de mérito e o diploma Gestor Nota 10 em outro encontro, desta vez em um hotel de Recife (PE). Ele teria sido  aprovado em saúde, infraestrutura, educação, assistência social e transparência pública. Convidado pelo repórter a entregar o diploma no lado de fora do hotel,  Cunha deparou com o jumento. Questionado se sentia vergonha em conceder um diploma ao animal, disse:

— Não, porque esse aqui carregou Jesus Cristo, ou não?

No caso de Caracol cabe ao Ministério público do MS investigar a possível compra da premiação e se foi pago com dinheiro do contribuinte, assim como as diárias gastas pelos dois vereadores Edmundo Timóteo Neto Palermo e Julio Cesar de Assis Teixeira.

Comprovante de diária no portal