Destaques
Em Bela Vista, fraude em secretarias causou prejuízo de R$ 1 milhão aos cofres públicos

Oito mandados de prisão temporária foram cumpridas na manhã desta quarta-feira em Bela Vista e Caracol

A operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) realizada na manhã desta quarta-feira (11) desarticulou uma quadrilha responsável por um prejuízo de mais de R$ 1 milhão aos cofres públicos de Bela Vista – a 322 quilômetros de Campo Grande.

Segundo o MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), o grupo fraudava licitações e contratos com a prefeitura para a prestação de serviço público de transporte de Bela Vista. Conforme as investigações, o prejuízo aos cofres públicos chega a R$ 1 milhão.

Oito pessoas estão presas temporariamente, entre elas servidores públicos, empresários de Caracol e secretários da Prefeitura de Bela Vista. Os nomes não foram divulgados, mas as ações desta manhã se concentraram na Secretaria Municipal de Saúde e na de Educação.

Dinheiro apreendido

As buscas foram realizadas em 19 locais em Bela Vista e Caracol – incluindo as casas dos investigados, a Prefeitura de Bela Vista, e as Secretarias de Educação e Saúde – por policiais do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e equipes da Promotoria de Justiça de Bela Vista e do Gaeco.

Esquema funcionava, basicamente, em prestações de serviços público de transporte. As buscas pelas equipes do Gaeco, onde participaram também policiais do DOF (Departamento de Operações de Fronteira), ocorreram em 19 locais nas duas cidades, incluindo as casas dos suspeitos. Armas, munições e quantia em dinheiro foram apreendidos.

Além disso, as sedes das Secretarias de Educação e Saúde foram vistoriadas pelos agentes. Os mandados judiciais foram expedidos pelo Juiz da Comarca de Bela Vista e a investigação conduzida pelo Promotor de Justiça William Marra Silva Júnior, titular da Promotoria de Justiça de Bela Vista, e pelo Gaeco.

Foram apreendidos ainda espingardas, diversas munições, documentos e dinheiro. A quantia não foi divulgada pela MPE-MS.

Os mandados judiciais foram expedidos pelo Juiz da Comarca de Bela Vista e a investigação conduzida pelo Promotor de Justiça William Marra Silva Júnior, titular da Promotoria de Justiça de Bela Vista, e pelo GAECO.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Bela Vista, mas setor estava em reunião. O prefeito, Reinaldo Miranda Benites, também foi contatado, no entanto as ligações não foram atendidas.]

Foram apreendidos ainda espingardas, diversas munições

Fonte e imagem: Assessora de Comunicação da GAECO